Arthur João Schwantes

De wikiasd
Ir para: navegação, pesquisa
Arthur Schwantes
Arthur Schwantes e esposa
Nome completo Arthur João Schwantes
Nascimento 20 de Junho de 1876
Pinhal de Santa Maria, RS
Morte 26 de maio de 1940 (63 anos)
Ijuí, RS
Nacionalidade Brasileiro
Filiação Mãe: Elisabeth Magdalena Adamy
Pai: Ernst J. T. Schwantes
Cônjuge Clementina Kaercher
Filho(s) Edith (esposa do Pr. Theófilo Berger); Nelson (Pastor); Esther (Professora, mãe do Pr. Walter Borger); Nestor; Iracema (mãe da esposa do Pr. Homero Reis); Arno (obreiro Adventista por muitos anos); Selma (casada com o Pr. Dermival Stockler de Lima) e Edgar.
Ocupação Colportor pioneiro na Região Sul do Brasil
Principais interesses Auxílio na obra Adventista
Religião Adventista do Sétimo Dia

ARTHUR JOÃO SCHWANTES (1876-1940). Colportor pioneiro na Região Sul do Brasil. Nasceu no dia 20 de junho de 1876, em Pinhal de Santa Maria, RS. Era filho do Pr. Ernest J. T. Schwantes.

Casou-se com Clementina Kaercher de Candelária, RS, e da união conjugal nasceram oito filhos: Edith (esposa do Pr. Theófilo Berger); Nelson (Pastor); Esther (Professora, mãe do Pr. Walter Borger); Nestor; Eracema (mãe da esposa do Pr. Romero Reis); Arno (obreiro Adventista por muitos anos); Selma (casada com o Pr. Dermival Stockler de Lima) e Edgar.

Converteu-se através da leitura dos livros vendidos pelo colportor Alberto Stauffer, e foi batizado pelo Pr. Huldreich Graf, no Alto Jacuí, em fins de 1897, juntamente com toda a família Schwantes, perfazendo um total de 19 pessoas.

Com o estabelecimento do Colégio em Taquari, mudou-se para lá, onde estudou por algum tempo, sendo logo depois de chamado para a colportagem. Foi então designado para ser missionário em Campos dos Quevedos, município de São Lourenço do Sul, RS, por onde trabalhou entre 1903 a 1904.

Naquele tempo, devido às poucas condições financeiras oferecidas pela Obra Adventista, era praticamente impossível sustentar uma família tão numerosa, então Arthur deixou a Obra para dedicar-se à Apicultura em Taquari. Sendo flagelado por várias enchentes, resolveu mudar-se para Ijuí, onde se tornou representante do Laboratório Kraemer.

Não obstante a esses acontecimentos, sua fé e convicção nas promessas de Deus permaneciam inabaláveis. Faleceu no dia 26 de maio de 1940, aos 63 anos de idade, vitimado por problemas cardíacos, em Ijuí, RS.

BIBLIOGRAFIA

Informações fornecidas por Boni Renck; Obituário da Revista Adventista, agosto, 1940, 14.