Mudanças entre as edições de "Luís Lindolfo Fuckner"

De wikiasd
Ir para: navegação, pesquisa
 
Linha 41: Linha 41:
 
[[Categoria:Pastores]]
 
[[Categoria:Pastores]]
 
[[Categoria:Departamentais]]
 
[[Categoria:Departamentais]]
[[Categoria:Presidente]]
+
[[Categoria:Presidentes]]
 +
[[Categoria:Administradores]]

Edição atual tal como às 10h41min de 12 de janeiro de 2016

Erro ao criar miniatura: arquivo não encontrado
Foto de Luís Lindolfo Fuckner

LUÍS LINDOLFO FUCKNER. Pastor. Nasceu no dia 8 de dezembro de 1935 em Lajeado Baixo, município de Brusque, hoje Guabiruba do Sul, SP. Filho de Oswaldo Ludovico Fuckner e de Christina Polheim Fuckner.

Cursou o Primário numa escola pública rural. Trabalhou durante cinco anos na serralheria de seus irmãos mais velhos.

Com 16 anos de idade, dirigiu-se para o GAP (atual IAP). Ao chegar ao Ginásio, foi instruído quanto a obra de colportagem e enviado à campanha, com a finalidade de pagar seu estipêndio escolar. Como não dominava a língua portuguesa, não conseguiu alcançar o valor mínimo. Desta forma, somente no final do ano de 1953, introduziu seus estudos como aluno industriário no GAP.

Fez o curso de Admissão e o Ginasial no IAP, interrompendo os estudos em 1954, quando foi servir o Exército Brasileiro em Curitiba.

Cursou o 1º ano do Ensino Médio no Novo Ateneu, em Curitiba. O 2º e 3º anos cursou no IAE (atual UNASP-SP), onde também fez o Curso de Teologia, parte como aluno bolsista e parte como aluno externo.

Casou-se com Mariza Ottoni no dia 19 de dezembro de 1963. Da união matrimonial nasceram dois filhos: Ingrid e Henry Luís.

Formou-se em Teologia no dia 8 de dezembro de 1965. Em seguida, recebeu chamado pra trabalhar na Clínica Móvel do Brasil, com sede em Paraíba, PI. Fez o curso de Enfermeiro-Padioleiro, sendo os estágios feitos no Hospital Belém.

Atuou por quatro anos na Missão Costa-Norte. De São Luís foi transferido para a Missão Central-Amazonas, com sede em Manaus, permanecendo por sete anos. Lá, serviu como Departamental de todos os departamentos, menos Colportagem. Tempos depois, assumiu a presidência da mesma Missão.

Nesse período, conseguiu recursos para a construção do Instituto Agro-Industrial do Amazonas. Também conseguiu doações para reformar e construir várias lanchas, em destaque a Luzeiro XIV e a XV, para ampliar o trabalho nas regiões onde não havia outro meio de transporte. A Luzeiro I, construída pelo missionário norte-americano Léo Halliwell, estava abandonada por mais de quinze anos e foi reformada por técnicos peritos, com o intuito de valorizar a memória do pioneiro. Através de mais doações, conseguiu trocar o avião da Missão, que já estava desgastado, por um novo e mais potente. Conseguiu instalar em Manaus a primeira Clínica Médica, hoje Hospital Adventista de Manaus.

Em 1997, foi transferido para Belém do Pará, como Presidente da Missão Baixo-Amazonas. Participou da implantação do primeiro internato adventista da região Norte, o IATAI (Instituto Adventista Agroindustrial do Amazonas).

Nos anos de 1979 a 1980 trabalhou como Secretário e Departamental de Expansão Patrimonial da Associação Sul-Rio-Grandense, com Sede em Porto Alegre.

Em 1981, foi convidado para trabalhar como Presidente na Missão Brasil Central, com sede em Goiânia, GO. Cooperou com a fundação do Instituto Adventista Brasil Central, no dia 8 de dezembro de 1985.

Em janeiro de 1986, recebeu o chamado para assumir a Presidência da Associação Paranaense. Após três anos essa Associação foi dividida em duas: Norte Paranaense e Sul Paranaense. Permaneceu na Associação Sul Paranaense, com sede em Curitiba, por mais cinco anos.

Durante esse período, conseguiu junto ao FAZ (Fundo de Assistência Social da Caixa Econômica Federal), recursos para construir três prédios de aulas no IAP, e também para a continuidade e conclusão do CCA (Centro Curitibano Adventista).

Após oito anos no Campo Paranaense, Foi trabalhar na União Sul brasileira, com sede em Curitiba, como Departamental.

Em março de 1996 recebeu chamado para assumir a Secretaria e Departamento de Mordomia Cristã da Associação Sul Moto Grossense, e nos últimos três anos, trabalhou como Presidente da mesma. Nesse período, auxiliou na compra de uma área para a construção do Colégio Adventista de Campo Grande, MS.

Em 2001, jubilou-se, e, em seguida, mudou-se para Brasília, DF, onde fixou residência.

BIBLIOGRAFIA: SARLI, Tercio. Minha Vida de Pastor. Campinas, SP: Certeza Editorial, 2011.